Mudanças recentes no calendário vacinal na rede pública

É importante que se entenda os motivos das diferenças entre os esquemas de imunização adotados na rede pública e aqueles praticados pelos estabelecimentos da rede privada de vacinação.

O Programa Nacional de Imunizações segue as recomendações estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e direciona seus esforços para a saúde coletiva levando em consideração os recursos financeiros para implementação dos programas de vacinação, as populações alvo de maior risco, o custo e a efetividade das vacinas e a disponibilidade da produção das mesmas por laboratórios nacionais ou internacionais.

A rede privada segue as mesmas diretrizes em consonância com os esquemas adotados pela OMS e pelo Ministério da Saúde do Brasil. Entretanto, com o foco na saúde individual, a rede privada tem a possibilidade de utilizar e recomendar, dentre as vacinas licenciadas no Brasil, o melhor esquema vacinal estabelecido pelas sociedades internacionais e nacionais incluindo aquelas vacinas ainda não disponíveis na saúde pública.

Em relação à vacina contra o HPV, na rede pública utilizava-se o esquema estendido para meninas entre 9 a 13 anos de idade utilizando duas doses com intervalo de seis meses e uma terceira dose realizada cinco anos após.

Recentemente, na rede pública para as meninas de 9 a 13 anos, houve mudança deste esquema para somente duas doses realizadas com intervalo de 6 meses entre elas. Na saúde pública tal mudança deveu-se a diminuição dos custos e ao fato de estudos terem demonstrado resposta imune satisfatória em meninas com idade inferior a quinze anos. Na Prevcenter, de acordo com as Sociedades Brasileira de Pediatria (SBP) e Brasileira de Imunizações (SBIm ) , mantivemos o esquema padrão de três doses para meninas e meninos: na data escolhida, aos dois meses e aos seis meses após a primeira dose; tal conduta deve-se aos estudos disponíveis evidenciando proteção por longo prazo com este esquema.

Em relação à vacina conjugada contra infecção pneumocócica , na rede pública utilizava-se a vacina pneumocócica 10-valenteadministrada em esquema de três doses aos 2, 4 e 6 meses de idade e um reforço entre 12 e 15 meses.

Recentemente, a exemplo de alguns países, na rede pública estão sendo indicadas duas doses aos 2 e 4 meses com um reforço preferencialmente aos 12 meses. Na Prevcenter, de acordo com o Comitê Assessor sobre Práticas de Imunizações dos Estados Unidos da América, com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm ) , mantivemos o esquema padrão de três doses no primeiro ano de vida e um reforço no segundo ano de vida utilizando a vacina conjugada 13-valente pela sua maior abrangência. Este esquema é o preconizado pelo fabricante e seguido por muitos países como, por exemplo, os Estados Unidos.

Em relação à vacina contra a poliomielite, na rede pública as três primeiras doses realizadas no primeiro ano de vida agora utiliza a vacina inativada injetável (VIP) aos 2, 4 meses e aos 6 meses de idade; a vacina oral (VOP), continua sendo indicada para os reforços aos 15 meses e aos 4 anos. Na Prevcenter, de acordo com as Sociedades Brasileira de Pediatria (SBP) e Brasileira de Imunizações (SBIm ), a vacina contra a poliomielite inativada é utilizada para todas as doses recomendadas.