foto-destaque-calendario-adolescente v2

Vacinas para adolescentes e adultos

Infecção Meningocócica B

Recentemente foi aprovada pela ANVISA e licenciada no Brasil a vacina contra o meningococo do sorogrupo B conhecida internacionalmente e indicada para uso a partir dos dois meses até os 50 anos de idade. Esta vacina também está licenciada na Europa, no Canadá, Austrália e EUA.

A meningite meningocócica, causada pela bactéria meningococo, é doença grave apresentando seqüelas e elevada letalidade apesar do uso adequado de antibióticos. No Brasil, onde circulam os sorogrupos B, C, W e Y, a doença meningocócica ocorre de forma endêmica e em surtos epidêmicos.

Atualmente, o sorogrupo B tornou-se a principal causa de doença meningocócica invasiva em lactentes com menos de 1 ano de idade no Brasil, sendo responsável por 47 a 58% dos casos nesta faixa etária. Tal fato deve-se em parte ao programa de vacinação iniciado no Brasil desde 2010 contra o meningococo do tipo C, com importante redução na incidência deste sorogrupo e consequente aumento dos casos pelo sorogrupo B.

Segue o esquema vacinal contra a meningite pelo sorogrupo B recomendado em bula e adaptado pela Sociedade Brasileira de Imunizações:

■ Crianças entre 2 a 5 meses de idade: três doses, com um intervalo de dois meses entre elas; dose de reforço administrada entre 12 e 15 meses de idade.

■ Crianças não vacinadas entre 6 e 11 meses: duas doses com dois meses de intervalo entre elas; dose de reforço administrada entre 12 e 23 meses de idade, respeitando intervalo de pelo menos dois meses após a última dose.

■ Crianças não vacinadas entre 12 meses e 10 anos: duas doses, com dois meses de intervalo entre elas; não foi estabelecida a necessidade de reforços.

Principalmente nas crianças com menos de 2 anos e também naquelas até os 10 anos de idade os efeitos adversos mais frequentes foram febre, dor, vermelhidão e inchaço no local da injeção, irritabilidade, dor de cabeça, náuseas e distúrbios alimentares. A administração concomitante com outras vacinas realizadas de rotina esteve associada a uma maior ocorrência de febre; portanto a PREVCENTER recomenda considerar a administração separada desta vacina quando possível. A febre, por vezes alta, pode ocorrer principalmente nas primeiras 6 a 12 horas. O uso de paracetamol profilático tem sido sugerido por alguns autores caso haja a administração concomitante com outras vacinas.